08 fevereiro 2009

Moinhos de água - Rio Arade




Sítio das Fontes

O Sitio das Fontes localiza-se ao longo das margens de um esteiro da margem esquerda do rio Arade, perto da Vila de Estombar, do concelho de Lagoa.

As suas várias nascentes localizam-se no extremo poente do maior freático lençol de água algarvio, conhecido por Lias-Dodger ou Querença- Silves e constituem uma das suas saídas mais caudalosas.A água das conhecidas nascentes da Fonte da Benémola, perto de Querença, no concelho de Loulé, tem origem na mesma reserva subterrânea.

O Parque Municipal do Sítio das Fontes está instalado num terreno com cerca de 18 ha, pertencente ao Município de Lagoa.

É um local bastante especial porque, apesar da sua pequena área, podemos aqui encontrar uma grande diversidade de ambientes representativos da paisagem mediterrânica - o sapal, o paúl, o matagal, uma pequena lagoa temporária, zonas agrícolas abandonadas e os planos e linhas de água.

Constitui também um acontecimento importante do ponto de vista geológico pela presença das nascentes e proximidade do rio Arade.

É também importante do ponto de vista histórico-cultural porque ali se encontram vestígios de actividades humanas que datam de tempos remotos. Os dois moinhos de água são testemunhos mais eloquentes dessa actividade humana. A antiguidade de pelo menos um deles está documentada no "Livro do Almoxarifado de Silves" do sé. XV.

Existem cerca de uma vintena de moinhos ao longo do Rio Arade entre Portimão e Silves, quase todos em mau estado ou reduzidos a ruínas, mas que atestam bem a importância que estes tinham outrora para a economia local.

É assim que dada a sua beleza natural e importãncia ecológica, a existência de várias nascentes de grande caudal e o património histórico-cultural, tem sido tradicionalmente utilizado pelas populações locais para actividades de Lazer, comemoração de datas festivas, contacto com a natureza, etc.
Desde que foi adquirido o terreno onde se encontra instalado o Parque, em 1989, foram recuperadas algumas estruturas como o moinho de maré e a sua caldeira, a casa do moleiro, o antigo sistema de rega, etc., enquanto outras, como o edifício da recepção, casa do guarda, sanitários, o anfiteatro ao ar livre, a zona de merendas, o percurso de manutenção e um pequeno embarcadouro foram construídos de novo.
Mais recentemente foi construído o Centro de Interpretação da Natureza, aproveitando a existência de um antigo edifício rural, localizado numa zona privilegiada do Parque.
Procedeu-se ainda à plantação ou transplantação de centenas de árvores, à delimitação dos caminhos e estacionamentos como forma de evitar o pisoteio disperso, à instalação de infra-estruturas, à construção de açudes, etc…